O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Mais importante do que sabermos o que é a vida, é saber viver, porque podemos ficar a vida inteira na indefinição sobre o que é a vida, mas não podemos ficar um único momento sem viver.

5 comentários:

o Obscuro disse...

Isso é verdade. Viver e deixar viver. É um bom preceito. É a voz do povo que o diz. Não são os limites da definição que interessam. Outras interrogações se colocam, nessas, não são alheios o como? e o porquê? o para quem? e o para quê?
Acho que foi António Telmo que comparou a reflexão de Aristóteles à árvore da "Santa Kabalah"."Hades" encontrar.
Faz o que quiseres, mas de acordo com a tua natureza. Essa é a boa questão, essa é a liberdade difícil de atingir.

morto disse...

Quem te diz que estamos vivos ou que isto é vida ?

Anónimo disse...

Quem te disse que os "vivos" falam?

miúda feia disse...

Ó Nuno, porque não deixaste o Manuelinho na primeira página ? Só hoje... vá lá não abuses. Repousa um pouco no "espaço entre os pensamentos"... se bem me lembro o "Nu e Despido" já havia sugerido isso. Não entulhes a Serpente ! Escreve devagar... doutro modo não consigo acompanhar...

miúda feia disse...

não fiques aborrecido com o meu comentário... amanhã já podes publicar... pois, não estarei por cá !