O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 26 de março de 2008

Friendly Feudalism - The Myth of Tibet

Um amigo iconoclasta envio-me este artigo:

http://www.michaelparenti.org/Tibet.html

Gostaria de saber a vossa opinião.

6 comentários:

conceição disse...

vou-lhe mandar por mail artigos actuais. o q se discute é o q se passa atualement. a idade media esta muito longe...ouve também a inquisição e nem por isso vamos queimar agora o Papa.

Ana Moreira disse...

Bem iconoclasta também eu sou. Budista, simpatizante da causa tibetana, enfim, nada é incompatível! Uma das coisas que sucede com os iconoclastas é não aceitarem mitos, nem fantasias cor de rosa. Não gostam de frases que metam “ eixo do mal” e embora se refastelem com uma bela história da Disney, desmantelam o sentido e deitam fora as caricaturas.
Ser Budista não é ser Buda. Aliás o Budismo é uma doutrina vastíssima capaz de ir ao encontro de inúmeras realidades humanas, e não só. No entanto, fazer o caminho ( ser Budista )não nos torna instantaneamente iluminados (Buda). Estranho: por vezes quando falamos de nações parece que falamos de pessoas, não é? O que é bom para uma pessoa, pode ser extremamente nocivo para outra, ainda que esteja mesmo ali ao lado. Tantas realidades, todas elas relatáveis... mas qual é a verdadeira?
Infelizmente não tenho muito tempo para comentar este texto, tentarei ser sintética mas não estéril. Por isso respondo com uma bela frase, publicada, aqui, na serpente emplumada, por uma Mulher que nós conhecemos:
“ Que eu viva a graça de amar-te não apesar dos teus defeitos, mas por causa deles. Pois os teus limites iluminam (-me) a face do Absoluto.”
- Viste o parêntesis? Foi uma adenda minha.( Maldito ego que não me larga...)

João Beato disse...

É aquilo que, no fundo, já todos sabemos: o ser humano é o mesmo em todo lado, a História social e política é muito semelhante em diferentes culturas. Não vale a pena criar idealizações romantizadas, isso seria mais uma ilusão... Sempre se ouviu dizer que o Budismo era a única religião pela qual nunca tinha sido feita nenhuma guerra, mas por que razão havemos de esperar que a história da cultura budista esteja "a salvo" das mesmas vicissitudes por que passam todas as outras culturas? Porque não esperamos isso do Cristianismo, Hinduísmo, Islamismo...? Mais um mito...?

Paulo Borges disse...

O texto não me espanta, embora me pareça algo tendencioso, porque foi no seio do budismo tibetano que escutei as maiores desmitificações do Tibete. Agora não creio que os tibetanos estejam hoje melhor, sob o domínio do comunismo (?) fascista-capitalista chinês... Sinceramente pareciam mais satisfeitos na tal teocracia feudal de que os "libertaram" à força... Na verdade, porque é que não pode haver povos que prefiram, à falta do Paraíso na terra, a teocracia e o feudalismo ?... Porque é que pensamos que os valores democráticos são universalmente mais válidos e melhores para todos ? Porque é que nos achamos no direito de os impor a todo o planeta, mesmo a quem não está neles interessado ?

Ana Margarida Esteves disse...

E a suprema vaidade e arrogancia do Ocidental, que se julga a luz da Humanidade, quando talvez seja o que esta mais as escuras ...

conceição disse...

a africa está bem pior e todos nos esquecemos dela.