O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 31 de maio de 2008

Para ti, Maria


4 comentários:

saudadesdofuturo disse...

Cara Luíza,

Caí na imagem como a mosca vai à luz, a abelha ao mel...Esperei que o silêncio fosse a contenção do impulso. Esse "azul português", como lhe chamo, exerce em mim um impulso vivo de ser daqui,destas águas matriciais.

Depois, o nome de Maria chama do fundo de mim, como oração ligada ao bater do coração. Oico: «Maria», «Maria» e em sonhos também a vejo e chamo o seu Nome.
A imagem sublime da Anunciação é-me particularmente grata.
O espírito e o seu "coração de pomba" toca-me a alma com arpejos de luz. Quem me dera, agora, uma fala mais limpa para erguer em onda o pó de azul que o azulejo mostra, depois de ir ao forno alquímico da sua dádiva.

Um abraço
Um sorriso:)
Muita Paz
pura e limpa

Luiza Dunas disse...

Caro Obscuro,

É com um estremecimento caloroso, que torna este momento perfeito, que sinto o teu sentimento azul português. De um azul mariano.

Ana Margarida Esteves disse...

Azul-céu, Azul-mar ...

Ana Margarida Esteves disse...

Mar-ia