O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 31 de julho de 2008

A onda e o mar, a mente e o corpo, viver é sur-far

O mar que gera as ondas é o mesmo mar do amor que gera o Homem. Cada onda forma-se porque se deixou formar.
Do mar se forma a onda, da mãe se forma o filho, do corpo se forma a mente, de que serve querer o Homem controlar o próprio corpo que o forma? De que vale a onda querer controlar o mar? O Homem que se pensa como onda perde-se do mar que é, reduzindo-se a uma ideia sem corpo, a uma onda sem mar.
O Homem esquece-se que não é só quando nasce que é formado pelo corpo da mãe, que continua vivo por estar sempre a ser formado pelo mar do seu corpo.
Agora percebo o meu desprezo quanto à actividade humana, não são mais do que ondas do mar, que ainda por cima se enganam a si mesmas como sendo algo mais do que o magno mar que as originou. O se-r-eno mar é o meu ser real, o horizonte que o une ao céu o meu único destino, ali onde o sol nasce rei, a ilha do sul onde veramente a cruz da vida floresce.

17 comentários:

Paulo Feitais disse...

Esta referência à mãe levo-a e vou largá-la de novo no mar. E viver é surfar, sim, e triste é quando nos esquecemos disso. :)

Anita Silva disse...

Esquecemo-nos disso quando nos pomos a lembrar, a pensar... pois que esquecer é lembrar do que somos. :)

Anita Silva disse...

pois que amar é esque-cer...

Anita Silva disse...

... lembrando. E como lembrando...

Anita Silva disse...

Por isso, quando pedimos a alguém que amamos que não nos esqueça, é um pedido incompatível, porque só esquecendo se pode amar verdadeiramente. :P

Paulo Feitais disse...

É isso mesmo.
Neste momento da minha vida isso ressoa duma forma muito percuciente por mim dentro. Lembro-me do filme "Iris" que passo muitas vezes aos meus alunos. O amor e o esquecimento, contra o esquecimento, até se amar o próprio esquecimento. E procurar aí um sinal, um indício da pessoa que foi um mergulho, um buraco negro de memórias em desagregação. E nesse colapso, um sorriso, um olhar, um gemido, podem resgatar uma vida inteira e dar sentido às vidas que ficam. "Ficam", como quem diz... Gostei deste teu texto. Sabe-me às férias que antecipo, esperando deixar por lá toda a pele e tudo o mais que me pesa. :)

Anita Silva disse...

... visto que lembrar com a mente não é o mesmo que lembrar amando com o corpo da alma, a onda lembra o mar... mas só sendo o mar existe.

Paulo Feitais disse...

Eh, eh...
Estou atento.
Isto vai prometer. Temos aqui uma escritora mercuriana. :)

Anita Silva disse...

eheh O Brasil abrasou-me... só fiquei a saber atear fogo :P

Anita Silva disse...

E não há melhor "fogo" do que aquele que o próprio fogo gera... a água. :)

Anita Silva disse...

aliás... ela sim é a mãe do fogo.

Anita Silva disse...

Dependendo... o fogo gera a água no acto sexual, a água gera o fogo no nascimento.

Anita Silva disse...

continuam separados ainda no acto de criação... como o tempo e a eternidade.

Sereia* disse...

Ena!

Como Sereia* não posso deixar de comentar este post.

Onda e mar, mente e corpo.
São tudo o que sinto. São tudo o que sou.

Só falta a palavra vibração.
Que eu acho que a vibração do mar é diferente da da terra. Não é maior nem menor, não é mais nem menos, mas acho diferente.

Talvez por ser Sereia* e ter a mania de viver metade na Água, metada na Terra.
Será?

:)

Anita Silva disse...

A vibração do mar é a da terra antes de nascer... no fundo, só há a do mar... é essa que persiste... é essa que conduz a da terra para o que ela é.

Anita Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anita Silva disse...

ou melhor, a vibração do mar é a da terra antes de ser concebida, e será igualmente quando ela nascer verdadeiramente.