O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Bucólicas


O dia estava brilhante e nítido, desses que imprimem às coisas uma realidade fotográfica que a fotografia não chega a revelar por inteiro; desses em que nos sentimos a lente e o objecto, a visão e a coisa, o corpo e a alma do mundo. Daqueles dias em que o sol se coroa rei revelador magnífico do fenómeno de uma visão espiritualizada e de um pensamento físico. Manhã magnífica, com amigos convivas do momento. Mas um redemoinho breve se levantou e o astro estranhou… e a ocasião proporcionou a visão de um grande rebanho de ovelhas que, visivelmente confundidas, voltaram mais cedo da pastagem...

Não sei por que razão e sabendo-o, lembrei-me da Anita (tal como me lembrei do Paulo Borges no post anterior) e, por razões que nos são caras, lembrei Agostinho e Pascoaes... e relembro agora a frase do aluno e as questões do tempo e da sua anulação ou eternização do instante, no tempo saudoso que conduz ao nascimento, estranhamente coincidente com a morte. E lembrei Caeiro guardador de pensamentos. E vi a sombra sair da luz e a luz da sombra. Registei o instante, viveu-mo ele...
O rebanho voltou ao pasto, desta vez com o pastor (que segura ao colo a cria mais nova). Tudo não tinha passado de uma interpretação "trocada" dos sinais do céu. O vento amainou num instante. e o convívio interrompido retomou o seu curso. Mudou de direcção o "vento" da conversa... porque era sábado, ficámos mais um pouco.




10 comentários:

Vergilio Torres disse...

De certo pensaria no mesmo... Alberto Caeiro.

Permiti-me a entrar nessa carrinha e esperar que o rebanho passasse. Com ou sem rumo aparente. Aos meus olhos a sensação de passagem, de passado. Aos meus olhos outros mais que mil, olhavam-me, sem nada me perguntarem. Ali fiquei, esperando em passagem de tempo, a minha "recordação de futuro".

Como às vezes são tão gratificantes esses momentos...
Como agora, sentado no banco da frente, na primeira fila da minha vida, a passo apressado, em direcção ao incerto.

Saudação de gratidão.

saudadesdofuturo disse...

Vergílio,

Posso vê-lo, de pé, na carrinha, à espera, e a amar essa espera. O pastor terá dito às ovelhas que o tempo às vezes enlouquece, que não ligassem a este outono... Sei lá, talvez tenha resmungado, o trabalho dobrado...
Creio que essa passagem lhe entrou na alma e, tal como me sucedeu, dissipou as nuvens que ainda moravam no pensamento. A cria clareou o dia. Ela aproximou-se, frágil e inocente. Só não lhe fizemos uma festa, porque alguém disse que a mãe a rejeitaria por causa do nosso cheiro. Foi um momento terno para todos.

Grata pelas suas palavras.

Anita Silva disse...

As ovelhas são literalmente um animal fofinho... :)**

Paulo Feitais disse...

A Anita! Quem me dera com a sua idade ter tido a sua força!
É a maior lição de humanidade e de pureza que recebi até hoje.
Espero estar à altura da lição recebida.
Esse é que é o problema. Recebemos as lições e depois... depois, enfim...
Mas deixo aqui isto:
http://www.youtube.com/watch?v=wtOXRchcHek

Anita Silva disse...

Mas que idade? Só conheço uma idade: a 3ª Idade, onde todas se reunem.

Só tens de estar à tua altura, não metas a lição que não há (separada de ti) pelo meio.

Anita Silva disse...

(supondo essa dita Idade ser a dos loucos portugueses do séc. XIII, do Agostinho...)

Anita Silva disse...

Abraço Fra-terno, Paulo.

Vergilio Torres disse...

Saudade,
Se é que posso trata-la por.

A cria, seria então o elo da não ligação da realidade à poesia.

Nesse momento talvez tenha acontecido o que normalmente chamamos de... "fez-me regressar à realidade". Não é mau por isso. É bom. Tal como o desejo de abraçar alguém.
Aqui estamos, observadores e cria... e um pastor (ou alguém) que pelo o por si foi dito, nos remete de imediato à nossa condição, espectadores deleitados.

Grato eu,
ou... todos nós, "rebanho" de serpentes do uno imaginário colectivo..:)

Anita Silva disse...

Vergílio, o que me veio agora é que o próprio pastor se tornou a cria, porque ele mesmo é o rebanho que conduz, isto é, não precisa de o conduzir, o mesmo é dizer, não precisam mais de ser conduzidas as "ovelhas"...
apenas de se deixarem conduzir por si mesmas, despertas que se tornam para si - que é o que me parece dizer já há uns séculos a Idade do Espírito Santo.

Anónimo disse...

Parabéns!... Um abraço!