O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 30 de novembro de 2008

Bardo - a Fernando Pessoa, no dia da sua transfiguração

Screveste teu livro à beira-mágoa
Por não ser tua a Hora que anunciaste.
Tiveste teus olhos quentes de água
Por em ti não chegar Quem esperaste.

Que houveste tu,
da névoa e da saudade,
senão a mui grande coita
em que por vida andaste,
e a alterosa dor,
em ti sofrida,
da pátria e do povo
que cantaste?

Repousa, amigo,
que mais que o incerto sopro
foste o divino anseio
humano feito,
e,
por haveres desejado e não tido,
deste ao tempo a Hora
em que por tua obra
se conheça o Eleito.

- in Trespasse, Lisboa, Edições do Reyno, MCMLXXXIV, p.74.

2 comentários:

Vergilio Torres disse...

Bela homenagem!
É Domingo, 14:45, e leio-o por Fernando Pessoa aliás, vou continuar a minha leitura de Domingo; tapadas as pernas com o cobertor - lá fora a neve congela. A televisão não existe, porque há muito que desfiz dela; resta-me a leitura e as tardes passadas à lareira saboreando um livro que jamais perderá o seu companheiro.

Um abraço, e bom Domingo!

nas asas de um anjo disse...

adorei o último excerto pk, de facto, é esse incerto sopro que nos remete para o mistério de nós mesmos com/pelo/no mun(s) mundo(s) que somos, e nos (a)cercam.