O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A vida

A vida é grata ingratidão
Entre nascer até à morte
É sobretudo aos que verão
Uma ingrata e grata sorte

É muito mais que não se sabe
A sua mestra mestra até ignorância
O não saber-la é sabor que não sabe
É um saber tão curto e sem distância

E depois tem na dor muitos sintomas
É é sangue e tripas ... indisposições
São abortos eutanasias e são comas
E antes dela (a morte) só confusões

E tudo porque não tem de comer
Para matar a fome a si mundo
Para ter o privilégio de viver
Uma vida vivida a fundo

De: José Lourenço

Poema homenagem à poesia/filosofia de Agostinho da Silva
www.agostinhodasilva.blogtok.com

2 comentários:

piri reis disse...

A vida é uma louca entregue aos braços de um demente.

Inês disse...

Bem vindo, José Lourenço, bem vindo! Espero que te aguentes nesta montanha russa. Muitos e muitas já voaram pelos ares!...