O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 27 de março de 2009

Salvador Dali
Oiseau (Bird), 1928
Oil, sand, pebbles and shingle on board
National Galleries of Scotland, Edinburgh

9 comentários:

Paulo Borges disse...

Que ser devorou a ave? Cada um de nós?

Guelfa disse...

A ave devorou a asa que lhe falta, devorou o não devorar.

de pé entre ruínas disse...

ave de rapina que se rapina: espelho do pior de nós

Anónimo disse...

Não vês mais nada?

Anónimo disse...

a asa é um útero
o útero é a mente.

Anónimo disse...

a asa é um útero (porto de abrigo)
o útero é a mente
a mente é a imaginação (criativa)
a lua é a consciência
os dois lados da pedra são os dois hemisférios do cérebro.

Anónimo disse...

a asa é um útero (porto de abrigo)
o útero é a mente
a mente é a imaginação (criativa)
a lua é a consciência
os dois lados da pedra são os dois hemisférios do cérebro.

a escuridão não sei.

Liliana Jasmim disse...

talvez à medida que os minutos avançam (como neste acaso aconteceu)
a nossa mente desce pelos elementos simbólicos e acrescenta remendos de imagens a esta imagem que nos preenche a óptica.

guna disse...

a realidade é um remendo da mente: rementa