O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 27 de abril de 2009

Ninguém se te lembrou

O velho homem vagabundeia as ruínas do tempo, recostado no firme muro de amados nadas gotejantes, esvoaçando os enferrujados despedaços de imutável mudança, tão impávido quanto perplexo ante as absortas visões do seu esquecimento - não, ninguém se te lembrou: ó velho (e terno) homem! Não, ninguém se te lembrou.

4 comentários:

Anónimo disse...

Será importante que se lembrem de nós?

nuno maltez disse...

Será importante que nos lembremos dos outros?

Anónimo disse...

Lembrar é esquecer.

Maria Ana Silva disse...

... esquecer o esquecimento.